Livros | O Malabarista

O Malabarista O malabarista é dividido em duas partes. A primeira, “Infância”, mais poética, traz textos sobre o pai, a mãe, o avô, a iniciação sexual, o pecado, a classe média nos anos 50 e 60, as primeiras lembranças, a vida no subúrbio. A segunda, “E depois...”, marca a entrada na vida adulta, simbolizada pelo incêndio da UNE, logo após o golpe militar, quando termina a esperança de que o socialismo virá. É o fim da ilusão. Surgem os grandes temas: economia, corrupção, amor, violência, cultura.No livro, o autor lança sua ironia costumeira e seu olhar cinematográfico para uma variada galeria de tipos. Há o menino que equilibra bolas de tênis no sinal e provoca uma mescla de sensações, como incômodo, culpa, impotência, compaixão, irritação e desesperança. Há também o dono da clínica onde morreram dezenas de pacientes, autor de máximas como “miséria é mercado” e “quem não mata não vive”. E há ainda o mendigo de quem se esperam filosofias de vida e só se ouvem resmungos sem sentido, frases cifradas e risos debochados.O malabarista mistura denúncias de mazelas sociais, análises políticas, confissões sexuais, memórias de infância e lembranças afetivas. Jabor consegue focalizar da base ao topo da pirâmide, traçando um painel variado do país, do mundo e dos sentimentos humanos.

PERFIS OFICIAIS
NAS REDES SOCIAIS

Siga o Arnaldo Jabor nas redes sociais e acompanhe os seus artigos, vídeos e novidades.

Livros

Os canibais estão na sala de jantar - Livro de Arnaldo Jabor
Os canibais estão na sala de jantar
Em Os canibais estão na sala de jantar, Arnaldo Jabor aborda, com sua linguagem peculiar, temas como - a crise é sempre culpa do outro; - ninguém quer partilhar a crise; - a crise provoca ciúmes; - a crise é um latifúndio improdutivo que ninguém quer dividir; - a crise pode ser uma atraç&atil
Pornopolítica - Livro de Arnaldo Jabor
Pornopolítica
Neste livro, Arnaldo Jabor apresenta uma coletânea de crônicas em que temas públicos misturam-se ao universo de nossas fixações interiores. Política, sexualidade, miséria, arte, memória, medo - ao usar o cotidiano como matéria-prima de seus textos, Jabor associa fato e ficçã

Filmes

Pindorama - Filme de Arnaldo Jabor
Pindorama
O filme foi realizado no auge da repressão da ditadura militar no Brasil. Foi o primeiro longa-metragem de ficção de Arnaldo Jabor, e foi o representante oficial do Brasil no Festival de Cannes em 1971. O termo Pindorama, na língua geral dos índios, significa terra das árvores altas e, em tupi-guarani, ter
Eu te amo - Filme de Arnaldo Jabor
Eu te amo
O filme relata a história um casal formado por um Industrial recém separado e falido durante o milagre dos anos 70 e uma mulher traumatizada por um relacionamento unilateral, que desejam desesperadamente se amar mas têm um medo brutal deste encontro. É um filme repleto do sumo do bom gosto da arte brasileira. Come&cce
DESENVOLVIDO POR CRIAMIX MKT|DZN