Filmes | O casamento

O casamento O Casamento é um filme brasileiro de 1976, do gênero drama, dirigido por Arnaldo Jabor. O roteiro é baseado na obra homônima de Nelson Rodrigues.

O senhor Sabino, um rico industrial da construção civil, nutre um amor incestuoso pela filha Glorinha de 18 anos, que vai se casar em dois dias. O médico da família diz que o futuro genro foi visto beijando outro homem na boca. Glorinha, ao saber das denúncias, faz um retrospecto doloroso de seus 18 anos de sexo, violências e dilemas, com flashbacks e ações entrelaçadas, que fazem aparecer as verdades que se escondem sob a aparente felicidade burguesa: injustiças, perversões sexuais, adultérios e crimes.

Premiações

- Ganhou o Kikito de melhor atriz coadjuvante (Camila Amado) e o Prêmio Especial do Júri, no Festival de Gramado.
- Recebeu o Prêmio Coruja de Ouro, de melhor ator (Nelson Dantas), do Instituto Nacional de Cinema, Rio de Janeiro, 1976.
- Recebeu o Prêmio Governador do Estado de São Paulo de melhor cenografia (Francisco Altan), São Paulo, 1976.

PERFIS OFICIAIS
NAS REDES SOCIAIS

Siga o Arnaldo Jabor nas redes sociais e acompanhe os seus artigos, vídeos e novidades.

Livros

Pornopolítica - Livro de Arnaldo Jabor
Pornopolítica
Neste livro, Arnaldo Jabor apresenta uma coletânea de crônicas em que temas públicos misturam-se ao universo de nossas fixações interiores. Política, sexualidade, miséria, arte, memória, medo - ao usar o cotidiano como matéria-prima de seus textos, Jabor associa fato e ficçã
Os canibais estão na sala de jantar - Livro de Arnaldo Jabor
Os canibais estão na sala de jantar
Em Os canibais estão na sala de jantar, Arnaldo Jabor aborda, com sua linguagem peculiar, temas como - a crise é sempre culpa do outro; - ninguém quer partilhar a crise; - a crise provoca ciúmes; - a crise é um latifúndio improdutivo que ninguém quer dividir; - a crise pode ser uma atraç&atil

Filmes

Toda nudez será castigada - Filme de Arnaldo Jabor
Toda nudez será castigada
Toda Nudez Será Castigada é um filme brasileiro lançado em dezembro de 1972, dirigido por Arnaldo Jabor, e produzido pela Produções Cinematográficas Roberto Farias, baseado na peça de teatro homônima de Nelson Rodrigues. O filme teve um público de 1.737.151 espectadores, sendo o quarto
Tudo bem - Filme de Arnaldo Jabor
Tudo bem
Juarez (Paulo Gracindo) é o chefe de uma família de classe média, que está às voltas com uma obra no apartamento. Aposentado, ele está sempre cercado pelos fantasmas de seus amigos já falecidos. Elvira (Fernanda Montenegro), sua esposa, fica revoltada com a impotência de Juarez, o que faz com
DESENVOLVIDO POR CRIAMIX MKT|DZN